Vela

Por: Mauro Osorio (CEO da Federação Brasiliense de Vela Adaptada)

Como é disputada

 

A modalidade da Vela Adaptada, à exemplo da Vela convencional, segue as regras da Federação Internacional de Vela (World Sailing - WS) com algumas adaptações feitas pela outrora Federação Internacional de Vela para Deficientes (IFDS).

A Vela Adaptada no ano de 2016 deixou de compor a lista de modalidades participantes dos Jogos Paralímpicos. Desde então a Federação Internacional intensificou o trabalho de divulgação e desenvolvimento da modalidade em outros países com o propósito de retornar aos Jogos. Para tanto, elegeu novos barcos em substituição aos que eram anteriormente utilizados como equipamentos paralímpicos (2.4mR, Sonar e o SKUD-18). Os novos barcos escolhidos para compor o movimento de retorno aos Jogos foram os barcos com projeto australiano da Classe Hansa 303 e os barcos britânicos da Classe RS Venture Connect

A vela adaptada não fará parte dos Jogos Paralímpicos de Paris, em 2024.

 

Quem pode praticar?

 

Deficientes visuais, amputados, paralisados cerebrais, lesados medulares, entre outras deficiências físicas.

 

A modalidade no Brasil

 

A vela é gerida nacionalmente pela Confederação Brasileira de Vela Adaptada. Mais informações na página do Facebook da Confederação.

 

A Vela Brasileira nos Jogos Paralímpicos

 

O Brasil nunca conquistou uma medalha nesta modalidade.

Regulamento (não-oficial, em inglês) - clique aqui
Descrição da Modalidade

Gasto Calórico

Impacto

Contato entre Competidores