Remo

Por: Vitor Sampaio Pires Reis Leal (Cientista Esportivo do Comitê Paralímpico Brasileiro e paratleta de Remo)

 
Como é disputado

 

O Remo é um esporte disputado em águas calmas, geralmente em lagoas ou rios, pois depende muito da qualidade do ambiente para o melhor deslocamento da embarcação. É um esporte disputado por homens e mulheres em barcos individuais e mistos, tendo de 1 a 4 atletas em embarcações com e sem timoneiro. O timoneiro é responsável por controlar o leme do barco coletivo dando direção nas competições evitando que as embarcações avancem nas raias opostas. As embarcações competitivas individuais são chamadas de Skiff, a embarcação com dois tripulantes mistos é o Double Skiff,ou Sculls, e a embarcação com 4 tripulantes mistos é chamado de 4 com timoneiro.

O local onde se ocorre a competição de regata geralmente é chamada de raia de remo ou estádio de remo e em competições oficiais há 6 raias de competição e 1 para retorno, o espaço interno de cada raia é de 12 metros e é necessário que a raia possua mais de 2000m de extensão.

O atleta precisa seguir o percurso na sua raia, o árbitro vem acompanhando logo atrás dos últimos colocados, para não haver marolas prejudicando o deslocamento do barco e, se houver invasão de raias, o árbitro faz sinal com uma bandeira branca mostrando que está invadindo a raia oposta, se a embarcação virar e o atleta não conseguir voltar sozinho e precisar de ajuda, ele é desclassificado sinalizado com a bandeira vermelha. Após cruzar a linha de chegada o atleta deve esperar todos os competidores cruzarem a linha de chegada para poder retornar ao pontão que é o local de embarque e desembarque.

 

Quem pode praticar?

 

Deficientes visuaisamputados, paralisados cerebrais, lesados medulares, entre outras deficiências físicas.

 

A classificação na modalidade

 

PR1


Remadores que possuem somente mobilidade de ombros e braços, função neurológica equivalente a uma lesão da medula espinhal completa em T10, perca de função motora no tronco e membros inferiores, paralisia cerebral: CP4, de acordo com a CP-ISRA, se houver perca motora nos membros superiores podem ser utilizados equipamentos para adaptações para a prática da modalidade como luvas e faixas.

PR2


Remadores que possuem mobilidade de tronco e braços, amputações nos membros inferiores que impossibilitem a utilização do acento deslizante, paralisia cerebral: CP5, de acordo com a CP-ISRA, prejuízo neurológico: equivalente a uma lesão da medula espinhal completa em L4.

PR3

 

Remadores que possuem mobilidade de membros inferiores, tronco e braços, cegueira: 10% de visão, de acordo com a IBSA (B1, B2 e B3); uso obrigatório de venda, não é permitido compor a mesma tripulação 2 atletas B3. Amputação é dividida em: a) um único pé; b) 3 dedos da mão que permitam ao atleta a utilização do acento deslizante, paralisados cerebral: CP8, de acordo com a CP-ISRA, atletas que possuem prejuízo neurológico: mínima perda motora conforme tabela manual FISA EX. flexão e extensão do tornozelo, punho ou ombro.

A FISA possui uma ferramenta online e e-mail que auxilia na detecção de classes se o atleta é elegível ou não. Clique aqui para acessar formulário (em inglês) e acessar um guia de elegibilidade.

A modalidade no Brasil

 

O remo é gerido nacionalmente pela Confederação Brasileira de Remo. Mais informações em www.remobrasil.com.

 

O Remo Brasileiro nos Jogos Paralímpicos

 

0 ouros

0 pratas

1 bronze

Regras Oficiais (em inglês) - clique aqui
Descrição da Modalidade

Gasto Calórico

Impacto

Contato entre Competidores

© Copyright 2020 Paratleta.com.br. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Grey Facebook Ícone
  • Grey Instagram Ícone
  • Ícone cinza LinkedIn