Natação

Por: Mayra Barbosa dos Santos (membro da coordenação de competições nacionais de natação paralímpica)

Como é disputada

 

As disputas são realizadas em piscina Olímpica com 50 metros de comprimento, contendo oitos raias, seguindo assim as regras da natação convencional. Em competições escolares, o Comitê gestor da modalidade adota a metragem de 25 metros, incentivando a modalidade no país, porém para fins de validação de recordes, apenas a metragem olímpica é considerada.


Nesta modalidade, competem atletas com deficiência física, visual e intelectual, em um total de 14 classes. Atletas com deficiência física são divididos em 10 classes funcionais, os atletas com deficiência visual em três classes visuais, e há apenas uma classe para atletas com deficiência intelectual. Os atletas competem nos quatro estilos: livre, costas, borboleta e peito em provas divididas nas categorias masculino e feminino.


As distâncias das provas vão de 50 a 400 metros, além de revezamentos, e as series são dívidas de acordo com a classe funcional dos atletas.

 
Quem pode praticar?

 

Deficientes visuais, deficientes intelectuais, amputados, paralisados cerebrais, lesados medulares, entre outras deficiências físicas.

 

A classificação na modalidade

Como mencionado anteriormente os atletas são divididas em 14 classes sendo elas classificação funcional, oftalmológica ou Intelectual. As classes que levam os números de 1 a 10 identificam os atletas com deficiência física, de 11 a 13 identificam os atletas com deficiência visual e a 14 identifica os atletas com deficiência intelectual.


Além dos números, as classes recebem também as letras S, SB ou SM que se referem aos nados que este indivíduo pode nadar, seguida do número da classe. As classes com prefixo S, podem competir nas provas de nado livre, nado costas e nado borboleta, com SB pode competir nas provas de nado peito e SM no nado medley. Um mesmo atleta pode ter classes diferentes, de acordo com o estilo: ele pode ser um S5 e SB4 ao mesmo tempo.


Cada atleta possui uma limitação diferente, então junto a essa classe ele pode receber também um código de exceção, que sinalizará aos árbitros possíveis adaptações e particularidades que esse indivíduo possa ter.


Essas adaptações são feitas nas largadas, viradas e chegadas. Os nadadores com deficiência visual recebem um aviso do “Tapper”, uma pessoa de apoio que, por meio de um bastão com ponta de espuma, recebem um toque de aviso quando estão se aproximando das bordas da piscina. 

A largada também pode ser feita na água (para qualquer estilo, e não somente no costas, como é na natação convencional), principalmente no caso de atletas de classes mais baixas (que possuem mais limitações), que não conseguem sair do bloco. 


Lembrando que as classes esportivas para atletas com deficiência física são alocadas a eles levando em consideração o impacto que a deficiência tem no nado e não a própria deficiência.

A modalidade no Brasil

 

A natação é gerida nacionalmente pelo Comitê Paralímpico Brasileiro, que atua também como confederação desta modalidade. Mais informações em www.cpb.org.br.

 

A Natação Brasileira nos Jogos Paralímpicos

 

32 ouros

34 pratas

36 bronzes

Regras Oficiais (em inglês) - clique aqui
Descrição da Modalidade

Gasto Calórico

Impacto

Contato entre Competidores

© Copyright 2020 paratleta.com.br. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Grey Facebook Ícone
  • Grey Instagram Ícone
  • Ícone cinza LinkedIn