© Copyright 2019 paratleta.com.br. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon

Tênis de Mesa

Por: Luis Gustavo Amorim (classificador de Tênis de Mesa) e Victor Lee (ex-coordenador de tênis de mesa paralímpico da CBTM)

 

Como é disputado

 

O tênis de mesa paralímpico é um dos mais tradicionais eventos esportivos para pessoas com deficiência, fazendo parte dos Jogos Paralímpicos desde sua primeira edição em 1960, em Roma, Itália. A modalidade é uma das mais abrangentes do programa paralímpico, e atletas podem jogar em cadeira de rodas (deficientes físicos) ou de pé (deficientes físicos ou intelectuais).

 

As regras do tênis de mesa paralímpico são praticamente iguais ao do tênis de mesa olímpico, com apenas algumas diferenças, como no saque para atletas cadeirantes, na qual a bola deverá ultrapassar a linha de fundo, não podendo sair pelas laterais. O objetivo dos atletas é vencer as partidas em melhor de 5 sets, de 11 pontos cada. O atleta que vencer três sets primeiro vence a partida. Diferentemente do ping-pong, cada atleta tem direito a dois saques, e em seguida o adversário faz os saques (em vez de sempre sacar quem fez o ponto). Em empate por 10-10, os saques são alternados a cada ponto.

 

Os torneios podem ter disputas individuais ou por equipes, com cada equipe composta de 2 ou 3 atletas. O torneio de equipes contam com até 3 partidas, começando com duplas, e depois partidas individuais. A equipe que vencer dois jogos primeiro vence a partida.

 

Os atletas podem usar acessórios de assistência enquanto jogam, como muletas, bengalas, cadeiras de rodas, próteses, órteses, e até mesmo amarrar a raquete na mão, porém não podem amarrar o tronco na cadeira de rodas. Os cabos da raquete também podem ser alterados para que melhor se adaptem às condições dos atletas.

 

Quem pode praticar?

 

Deficientes intelectuaisamputadosparalisados cerebraislesados medulares, entre outras deficiências físicas.

 

A classificação na modalidade  

 

O tênis de mesa paralímpico se divide em 11 classes, sendo as classes de 1 a 10 para atletas com deficiência física, e a classe 11 para atletas com deficiência intelectual. Dentro das classes para atletas com deficiência física, quanto menor o número da classe, menor o grau de mobilidade do atleta, sendo que as classes de 1 a 5 são para atletas cadeirantes, e 6 a 10 para atletas andantes.

 

Os critérios mínimos de elegibilidade para jogar na categoria de cadeirantes são:

 

  • O atleta não é capaz de andar sem apoio (muletas ou tutores); 

  • O atleta não possui uma marcha funcional com ou sem apoio; 

  • O atleta não é capaz de dar passos laterais funcionalmente; 

  • Deficiência em Membro do atleta é uma amputação simples acima do joelho com coto com comprimento não maior do que 1/3 (ou dismelia semelhante) exceto se houver circunstâncias médicas excepcionais; 

  • Deficiência de membro do atleta é uma amputação acima do joelho em uma das pernas, e uma amputação abaixo do joelho da outra perna (ou dismelia similar). 

 

Atletas que não cumprirem com pelo menos um dos requerimentos acima não poderão ser alocados nas classes de cadeirantes.

 

Para os atletas andantes, são muitas as variações, sendo listadas abaixo as mais comuns (não limitadas às opções descritas):

 

  • Amputação de 1/3 do antebraço do braço de não-jogo (o braço que não está com a raquete), ou amputação de pelo menos 6 falanges da mão de jogo, ou amputação de 1/3 do pé;

  • Diferença mínima de 7 cm no comprimento das pernas;

  • Atletas com baixa estatura, sendo o mínimo de 1,40 m para homens, e 1,37 m para mulheres;

  • Atletas com a​lgum tipo de paralisia cerebral (atetose, hipertonia, ataxia);

  • Limitação de amplitude de movimento (por exemplo: um tornozelo rígido).

 

A modalidade no Brasil

 

O tênis de mesa é gerido nacionalmente pela Confederação Brasileira de Tênis de Mesa. Mais informações em www.cbtm.org.br.

 

O Tênis de Mesa Brasileiro nos Jogos Paralímpicos

 

0 ouros

2 prata

3 bronzes

Regras Oficiais (em inglês) - clique aqui

Regras de Classificação Funcional (em português) - clique aqui

Descrição da Modalidade

Gasto Calórico

Impacto

Contato entre Competidores