Judô

Por: Felipe Menescal (Gerente Técnico e de Eventos da Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais)

 
Como é disputado

 

O Judô Paralímpico é praticado por atletas deficientes visuais de ambos os sexos (masculino e feminino) e de todas as classes visuais (B1, B2 e B3), ou seja, não existe separação por classificação visual e é divido por peso de acordo com as regras internacionais da modalidade.

As categorias de peso são as seguintes:

Descrição da Modalidade

Gasto Calórico

Impacto

Contato entre Competidores

As lutas acontecem basicamente com as mesmas regras do judô convencional, as adaptações são poucas e a principal dela é que a luta já começa com os atletas com a pegada do quimono. Caso durante o combate os atletas percam a pegada o árbitro para a luta e posiciona os atletas no centro do tatame para realizarem a pegada novamente. Caso a luta seja entre um atleta B1 (cego total) e um atleta B2 ou B3 o atleta B1 tem a prioridade de fazer a pegada primeiro.

Cada combate tem duração máxima de 4 minutos e o objetivo principal da luta é conquistar o Ippon (pontuação máxima), que é atingido quando um judoca consegue derrubar o seu oponente com as cotas no solo ou imobilizá-lo por 25 segundos.

 

Quem pode praticar?

 

Deficientes visuais.

 

A classificação na modalidade

Além das categorias por peso, os judocas são divididos em três classes, de acordo com o grau da deficiência visual. Todas começam com a letra B (blind, cego em inglês): B1, B2 e B3.

  • B1 à Atletas totalmente cegos que não possuem nenhuma percepção de luz em qualquer um dos olhos ou que não consiga fazer a distinção do formato de uma mão a qualquer distância.

  • B2 à Atletas que tem percepção de vultos e conseguem reconhecer o formato de uma mão, até acuidade visual 2/60 e/ou campo visual inferior a 5 graus.

  • B3 à Atletas que conseguem ter definição de imagens. Acuidade visual de 2/60 a 6/60 e o campo visual maior que 5 graus e inferior a 20 graus

Ou seja, estão aptos a praticar o Judô Paralímpico atletas que tenham desde nenhuma percepção luminosa em ambos os olhos até atleta com acuidade visual 6/60 ou campo visual não superior a 20 graus. Sempre considerando  melhor olho e com as correções visuais.

Todos os atletas têm que enviar laudo oftalmológico para a CBDV e passar por classificação visual oficial em sua primeira competição oficial.

A modalidade no Brasil

 

O judô é gerido nacionalmente pela Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais (CBDV). Mais informações em www.cbdv.org.br.

 

O Judô Brasileiro nos Jogos Paralímpicos

 

4 ouros

9 pratas

9 bronzes

Regras Oficiais (em inglês) - clique aqui

© Copyright 2020 Paratleta.com.br. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Grey Facebook Ícone
  • Grey Instagram Ícone
  • Ícone cinza LinkedIn